19.5.17

Drip-Peter.jpg

Foto: Drip - Peter

 

As gotículas de água, que pendiam dos nós do arame farpado, denunciavam o fim de mais um aguaceiro. Expostas aos raios de um sol pouco atrevido, tímido até, serviam de espelho à luz que se refletia como uma palete de cores variadas. Fascinada com o brilho colorido das gotas de água, lá se deixou ficar a uns passos da vedação que a separava do mundo e lhe roubava a liberdade. Sentia-se abençoada por usufruir daquela beleza num lugar assim.

Tudo lhes era proibido. Não podiam rir, nem tinham razões para o fazer. Não podiam ser felizes, nem tinham esperança de vir a sê-lo. Só a morte circulava livremente por ali. Condescendiam, porém, e deixavam-nos sobreviver a troco de trabalho duro e indigno.

Estática, encharcada e com os ossos amolecidos, tão pouco defendidos por roupas e carnes, apenas pele de envelhecimento temporão, em silêncio para não quebrar o condão, contemplava-as. A uma em especial. Enxergou-a por ser maior do que as outras e obstinada em resistir à queda que lhe acabaria com a existência quando se precipitasse no chão. A brisa que soprava abanava-a, mas não a desprendia. Admirava aquela minúscula formação da natureza e a força com que resistia a ser destruída. Viu-a crescer em tamanho e à medida do seu desejo de liberdade. A pequena gotícula cresceu e tornou-se grande, tão grande, capaz de a acolher dentro da sua enorme bolha, elevá-la à altura da vedação e levá-la pelos campos verdes até ao rio inatingível, apesar de tão perto. Banhar-se-ia nas águas limpas e descê-lo-ia até a um lugar seguro e calmo. Não mais precisaria de sonhar com a liberdade que é coisa que não deve ser sonhada, mas vivida como coisa real.

A gotícula começava a fraquejar, perdeu a forma arredondada e ganhou aparência de lágrima. Aproximava-se da rendição, estatelar-se-ia no chão. Não podia deixar que ela caísse, com ela levaria o seu sonho de liberdade. Deu um passo, pesado e lento, mas determinado. Arrastou a custo os pés na lama, ainda faltavam alguns metros, mas salvaria o seu sonho.

 

Os gritos dos brutos para que se afastasse da vedação não a interromperam, na verdade, nem os ouviu. Aprendeu a não os ouvir, o silêncio protegia-a daquelas vozes duras que tantas vezes a feriram.

Com um brilho chamativo a gota de água continuava lá a debater-se para se manter ligada ao arame e, ela cada vez mais próxima, mais um passo e poderia recolhê-la na mão e deslizar para longe. Mas, que dor era aquela? Queimavam-lhe as costas, faltavam-lhe as pernas. Tombou sem forças no solo enlameado cor de sangue. A vedação abanou e a gota de água desceu suavemente como uma carícia no rosto da infeliz sonhadora.

O grito dos brutos há muito que se calaram em Auschewitz, mas o gemido dos vencidos continua a ouvir-se no silêncio incomodativo do lugar. Nos campos de concentração, esses buracos negros da humanidade, não há vazio, envolve-os um silêncio repleto de medo, indiferença, indignidade e todos os demais adjetivos que nos possam envergonhar.

Um silêncio povoado de dor.

 

Cidália Carvalho

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

>Alexandra Vaz

>Ana Martins

>Cidália Carvalho

>Ermelinda Macedo

>Fernando Couto

>Jorge Saraiva

>José Azevedo

>Leticia Silva

>Maria João Enes

>Rui Duarte

>Sandra Pinto

>Sandra Sousa

>Sara Almeida

>Sara Silva

>Sónia Abrantes

>Teresa Teixeira

Maio 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
18
20

21
23
25
27

28
30
31


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Outras ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: