17.3.17

Crayon-MariKanezaki.jpg

Foto: Crayon – Mari Kanezaki

 

Eu gostaria de perceber por que motivo é tão difícil ser-se mediana numa vida mediana. O esforço deveria ser mínimo, o sofrimento residual.

Mas, em vez disso, corro. Corro sempre. Atrás de comboios que não consigo apanhar – porque são mais rápidos do que eu, ou porque eu sou realmente mais lenta.

E, sempre a correr, QUERO AGARRAR TUDO, TODOS! Alguma coisa, alguns... um quase nada.

Tomar consciência de que não consigo alcançar o que me proponho e de que cada vez alcanço menos, apesar do esforço ser cada vez maior é… frustrante (não era bem esta palavra que gostaria de utilizar, mas ficamos assim).

 

E porquê? PORQUÊ?

Decerto é a idade que já me pesa nos ombros (não, a idade não é muita; os ombros é que são fracos). Ou então, um excesso de falta de alguma coisa que não consigo bem identificar. Coragem? Paixão? UMA CERTA DOSE DE REALISMO?!?!

E por vezes, apetece… Era pegar numa borracha, apagar o que está mal. Como quando em miúda desenhava no Paintbrush; ali era sempre possível começar de novo, tentar fazer melhor.

Mas, pensando bem, eu nunca tive muito jeito para desenho.

 

Sandrapep

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandesa

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
22
23
25

26
28
30


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: