1.7.16

Head-GerdAltmann.jpg

Foto: Head - Gerd Altmann

 

Há dias os seus corpos também estavam cá.

Os seus corpos tornavam-nos existentes.

Os seus corpos também comunicavam connosco.

Tornaram-se inexistentes, porque o cérebro e o coração pararam.

Tornaram-se invisíveis, porque ninguém consegue recuperar e ver o corpo.

O corpo desaparece…

É muito importante ter o corpo para a despedida, mas o corpo não volta; é irreversível.

Há, no entanto, outra dimensão que não desaparece. Não é reversível, nem irreversível, porque nunca desaparece do nosso perimundo.

Envolve-nos diariamente sem grande esforço. As fotos ficam; as recordações não documentadas ficam.

Ficam connosco com muita intensidade.

Às vezes rimos e choramos sozinhos com lembranças muito reais.

Vivemos momentos imaginados, com desfechos prováveis baseados nesta dimensão que não desaparece.

Seria assim, teria este desfecho se estes momentos fossem vividos com estas pessoas cujo corpo já não está cá, dizemos nós.

Acompanham-nos como se o corpo fosse reversível e, deste modo, visível.

Na morte, só o corpo é irreversível… só as funções vitais são irreversíveis…

Há uma dimensão que fica…

 

Ermelinda Macedo

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandesa

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Julho 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

24
26
28
30

31


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: