24.7.15

ManLookingDown-МаксимКукушкин.jpg

Foto: Man Looking Down – Максим Кукушкин

 

Quando a marginalização se herda, a circunstância de exclusão é um cordão umbilical bem mais difícil de cortar do que o físico que, por si só, cai.

São inúmeros os estudos que concluem que as famílias apresentam um padrão que se perpétua de geração em geração e que romper esse padrão é uma realidade pouco comum.

Se até há pouco tempo, a marginalização era uma circunstância associada a um tecido sociofamiliar económica e culturalmente desfavorecido, hoje temos essa mesma circunstância a expandir-se para tecidos sociofamiliares económica e culturalmente mais desafogados. É uma consequência do empobrecimento galopante da população!

Ora, se havia um grupo marginalizado por viver num ambiente onde a carência gerava atitudes de revolta visíveis no desinvestimento escolar e cultural, na prática de delitos e na recusa de valores de vida saudáveis, agora há um grupo marginalizado por viver num ambiente onde a carência gera atitudes de uma revolta escondida, feita de ressentimentos causadores de uma angústia pela impossibilidade de se entregar ao culto de uma aparência que já não é possível sustentar.

Nos dois casos, a experiência da exclusão obriga a uma reflexão muito, muito profunda e cuidada sobre a realidade política mundial. A sociedade adoece a cada década e a sociedade é cada cidadão, ser de individualidade e dignidade!

Talvez valha a pena regressar à origem da palavra política, na verdade ela contém uma dica preciosa para essa reflexão que urge fazer de forma continuada e por todos.

Política provém de pólis, cidade, e o cidadão que vive na cidade é político.

Fica claro que ao político, ao cidadão, ao ser de individualidade e dignidade, cabe o dever de construir a sua cidade, pelo que lhe é exigido um olhar permanente e crítico, uma atenção comprometida e uma procura responsável de um amanhã saudável e harmonioso. Jamais, sob o risco de se oferecer a uma destruição lenta, poderá depositar nas mãos de outros a escolha das respostas ajustadas à construção de um mundo melhor. Jamais, sob o risco de se deixar iludir e ludibriar, poderá alienar-se da sua realidade, repousando na convicção de que alguém promoverá a construção de um mundo melhor.

O mundo melhor constrói-se com as políticas dos políticos que somos todos nós e não um “eles, os políticos” e é imperioso que cada um assuma esta sua dimensão: a de ser político! Não se esquece que há um Lugar Institucional, o do Poder Político, mas lembra-se que esse lugar é ocupado por nós porque votamos. Cada ser individual deve cumprir-se nesta sua dimensão para poder preservar um valor inalienável do ser humano que é a DIGNIDADE. Nisto reside a cura para esta doença que ataca as sociedades: a marginalização.

Quando a marginalização se herda, a circunstância de exclusão é um cordão umbilical bem mais difícil de cortar do que o físico que, por si só, cai. A experiência da exclusão perpetuar-se-á se cada indivíduo não assumir de forma plena e permanente a dimensão cívica, política de que está imbuído desde a nascença pela sua condição humana.

A marginalização termina no exato momento em que a pessoa abandona as margens da alienação e do amorfismo e se assume ser de pensamento crítico, vontade e sonho que é o que realmente pode derrubar todas as margens que separam e aniquilam.

 

Sónia Coimbra

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandesa

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
23
25

26
28
30


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: