20.6.14

 

Parece mentira, mas não é: nascemos com a morte anunciada. A experiência da perda é dolorosa. Qualquer perda. O desapego necessário a uma vida equilibrada demanda muitas mortes em vida. Mas o luto não tem de ser sofrido, daí que há culturas em que celebram alegremente a morte de alguém. Contudo, não podemos renegar o peso milenar da tragédia da morte. Depende da história de um povo e do seu desenvolvimento espiritual a dimensão dada à morte. Mas suprimir as emoções que surgem da experiência do “fim frustrado” não permite assentar, assimilar e transmutar as memórias afetivas na relação com o objeto perdido.

A lacuna no senso de discernimento das realidades combinada com uma certa desinteligência afetiva, ou se quisermos, emocional abre espaço ao queixume, à mágoa, ao arrependimento na hora da perda. Uma negação da própria vida?

A certeza da perda, omnipresente, deveria suscitar em nós o aproveitamento máximo da oportunidade de viver.

 

Marta Silva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandesa

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28

29


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: