22.1.13

 

Inerte é o tempo refletido em mim…

Pauso no pensamento do já passou por mim…

Agonizo a ausência de quem já foi para mim…

Remete-se ao silêncio a vontade de mim…

 

O que fazer,

Quando a aurora tarda em ser de novo?

Neste desprazer vivo encoberto,

Sem avanço, nem recuo,

Perco-me indefeso neste interregno

Que de mim possuo…

 

O que fazer,

Quando o ar já não me inspira, o alento quebrado,

Esta paragem na existência,

Em que me sinto anestesiado?

 

O que fazer,

Quando lá longe, vai veloz a Vida,

E eu permaneço aqui, em mim,

Como terra batida?

 

Cecília Pinto


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Dili | Timor-Leste

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandesa

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
16
17
19

20
21
23
24
26

27
28
30
31


Arquivo
Comentários recentes
Ola, boa tarde. o Mil Razões está em destaque no B...
OoopsFaltou dizer que a homepage dos Blogs do SAPO...
Olá,Este blog está em destaque na homepage dos Blo...
Parece que o Mil Razões quer mesmo estar em todos ...
O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoa...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: